terça-feira, 31 de maio de 2011

A geladeira de Einstein.

Ele revolucionou a física. Mas, na verdade, só queria entrar na sua cozinha

Engenheiros ingleses estão construindo o primeiro protótipo de um eletrodoméstico revolucionário: uma geladeira ultra-ecológica, que foi inventada em 1930 por ninguém menos que Albert Einstein. Ela gasta pouca eletricidade, não prejudica a camada de ozônio e, para completar, é totalmente silenciosa. A máquina, que o físico criou e patenteou junto com seu colega húngaro Leo Szilard (que viria a se tornar um dos pais da bomba atômica), faz algo que parece mágica: transforma calor em frio. Tudo graças a um sistema inteligente, que dispensa o motorzinho presente nas geladeiras convencionais.

Mas, se essa tecnologia é tão incrível, por que não é usada hoje em dia? É que, como foi concebido, o refrigerador de Einstein não gela muito bem – por isso, nunca foi fabricado em série. Mas os cientistas que estão desenvolvendo a geladeira acreditam que é possível quadruplicar sua potência – a idéia é trocar o butano por gases mais poderosos e usar energia solar para alimentar a máquina. “Ela seria muito útil em áreas rurais, onde não há eletricidade”, explica o engenheiro Malcolm McCulloch, da Universidade de Oxford.

Ciência na cozinha
A genial - e complicada -máquina de Einstein


1. Aquecimento
Um aquecedor elétrico embutido na geladeira esquenta uma mistura de água com amônia. Isso causa uma reação química que separa as duas substâncias.

2. Condensação
A água, na forma de vapor, chega a uma câmara de condensação. Ela vira líquido e é usada para molhar uma mistura de dois gases: amônia e butano. Como é menos solúvel em água, o butano fica livre.

3. Refrigeração
O butano entra numa terceira câmara – o resfriador. E agora vem o truque genial. Lembra-se da amônia que foi liberada na etapa 1? Ela vem até aqui e se mistura com o butano. Essa mistura evapora, absorvendo calor – e isso deixa a geladeira gelada. Em seguida, os gases voltam para as etapas 1 e 2, reiniciando o processo. 
 
 

6 comentários:

Anônimo disse...

Amei. Se realmente for lançada quero ser a primeira a comprar. Tudo o que tem finalidade ambiental tem meu total apoio.

Anônimo disse...

Divulguem seu site ou blog grátis no agregador de link OKurioso.
http://www.okurioso.com

Leonardo disse...

Esse sistema é mais antigo do que geladeiras elétricas, foram muito usadas por agricultores e atualmente são bastante usadas por pessoas que utilizam trailers. Se encontra até no mercado livre...

Glau Sotnas disse...

Se chama pastilha de Peltier, uma placa que esquenta de um lado e esfria do outro, quando é passada uma corrente elétrica. Já existem vários aparelhos utilizando isso, por exemplo aquelas "geladeiras" para vinho, um pouco menores que um frigobar, até mesmo como refrigeradores de processador, para substituir o cooler e o dissipador. O problema é que o rendimento é muito baixo, e uma geladeira com essa tecnologia gastaria mais eletricidade que uma convencional, ao contrario do que foi postado.

contact disse...

Parabéns pelo post...

Conheça o novo agregador de links www.surpriselink.com/Inicial em dois idiomas (português e inglês), para atrair visitantes nacionais e internacionais, nele você pode enviar links com imagem e sem imagem, enviar até 6 links por dia com liberação imediata além de widget customizados para seu site/blog.

Anônimo disse...

Bobagem. Essa refrigeração por ciclo de absorção de amônia foi inventada no séc 19. Não foi o Einstein.

E transformar calor em frio é comum, tanto que é usado em diversos complexos como o CENPES da petrobrás, no qual eles utilizam o calor residual de geradores para fazer a climatização.